Achei! É, eu achei… Porque sextas-feiras é dia de faxina e faxinas me fascinam pelo fato de possibilitarem encontrar coisas até então esquecidas.

Trata-se do original em manuscrito de uma receita de Pasta de Alho escrito pela Fer há meses atrás. Logicamente por ser manuscrito, são abreviados detalhes importantes. Por isso estarei transcrevendo-a de modo a simplificar o entendimento do caro leitor.

ingredientes

  • um número razoável de batatas médias não-brotadas (segundo o tio Dedi, tio do Maurício, batata brotada tem gosto diferente);
  • alho a gosto, já que o próprio nome da receita induz você a pensar que iremos precisar de alhos;
  • sal a gosto, apesar de estarmos em Setembro já (infâme);
  • azeite a gosto;
  • pimenta do reino, porque a República é muito democrata.


modo de preparo

  • cozinhe as batatas, preferivelmente peça para alguém que saiba como fazê-lo;
  • soque o alho, o azeite, o sal e a pimenta em um recipiente; você pode utilizar o socador de limão para caipirinha para tanto, desde que lave-o muito bem, caso contrário a próxima caipirinha ficará intragável;
  • junte as batatas e o preparado em um recipiente e mexa bem até que fique parecido com um patê; esse processo poderá ser demorado caso o tempo de cozimento das batatas seja curto.

Você pode guardar em um recipiente de pepinos, desde que os pepinos tenham acabado e você tenha lavado o recipiente. Essa pasta de alho pode ser usada em muitas ocasiões, seja passar no pão, seja em uma receita árabe de Chawarma, seja no processo de temperamento de uma carne, seja comendo puro, entre outras formas. Lembre-se que uma vez você fazendo, ela é sua e você tem direitos sobre ela, portanto, fique livre para fazer o que bem entender.